Menu fechado

A Régua da Poesia

Publicada no site antigo em 2018.

Poesia não são só palavras colocadas num papel. Quer dizer, os dadaístas podem até defender essa concepção de poesia… Mas poesia envolve algumas técnicas e artimanhas. A mais conhecida, claro, é a rima. Classicamente tem também a métrica.

Acontece que a métrica não é presente em todos os tipos e poesia, nem funciona sempre do mesmo modo quando saímos da Academia para o mundo real. O que venho percebendo nesse ponto é que poesia geralmente tem uma régua, uma medida para a declamação. A medida clássica é a métrica, mas não é a única.

  • Métrica: a medida tradicional da poesia é feita contando-se as sílabas poéticas, que são sílabas nem sempre coincidentes com as sílabas gramaticais, terminando na sílaba tônica da última palavra do verso. Atrelado à métrica vem também o ritmo, que determina como os versos devem ser declamados.
  • Batida: música de modo geral tem sua preocupação de “encaixe” da letra. Os versos têm que encaixar no ritmo ou na melodia. Para isso, a métrica é um bom ponto de partida, mas há alguns malabarismos do intérprete que permitem fugir da métrica sem nenhum prejuízo, pelo contrário, enriquecendo ainda mais a música. Aquelas aceleradas para várias sílabas caberem em um tempo onde antes couberam poucas, ou aquela vocalizada que estica algumas sílabas por um período mais longo.
  • Teatral: quando a poesia é declamada de forma teatral, ela usa uma outra medida, que é a da dramatização. Pode ter versos meio cantados, versos gritados, versos soltos como pensamentos… A encenação tem que conseguir tirar o máximo de sentimento daquela poesia. E a poesia sem métrica (e muitas vezes também sem rima) pode ser assim por ter sido pensada em uma declamação desse tipo.

Então o resumo da Ópera é que hoje eu percebo a poesia como algo dependente de uma régua, mas que aceita várias réguas diferentes. Quer saber se uma certa poesia ficou legal? Ouça a declamação de quem a criou. Se ele conseguiu declamar bem, te convencer, está valendo! Pode ser uma música, um cordel sem métrica ou uma poesia pós-moderna com 41 versos de tamanhos variados presos em uma só estrofe. Funcionou? Tá valendo.

Ah, tem também a poesia concreta, mas esse já é um outro assunto…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *